Nesta quarta-feira (18/05) Intersindical presta homenagem ao camarada Eliezer

O ato, em homenagem ao camarada Eliezer, também será transmitido às 18h30 pelo Facebook e Youtube no canal da Intersindical – Instrumento de Luta e Organização da Classe Trabalhadora e do Sindicato dos Metalúrgicos de Campinas e Região (metalcampinas).

Eliezer Mariano da Cunha, foi metalúrgico e faleceu numa segunda-feira, em 18 de maio de 2020. Vítima de infarto fulminante aos 68 anos, Eliezer deixou a esposa, Domingas, os filhos Denise e Daniel além de um legado de história de luta e compromisso com a classe trabalhadora.

Camarada Eliezer sempre presente.

Vitória da luta dos trabalhadores na Rede TV

Judiciário decreta a legalidade da greve dos trabalhadores e determina: a manutenção de todos os direitos da Convenção Coletiva de Trabalho de 2016/2018; a concessão de 17% de reajuste salarial; estabilidade de 90 dias e pagamento dos dias da greve. 

Companheiros/as 

Fruto da greve dos trabalhadores na Rede TV, luta organizada junto com o Sindicato em setembro de 2021, tivemos uma importante vitória na defesa dos direitos, por aumento salarial e melhores condições de trabalho.

A Rede TV lucra cada vez mais impondo arrocho salarial, péssimas condições de trabalho e impondo assédio moral contra os trabalhadores. E contra tudo isso, a categoria se colocou em movimento.

Foram mais de duas semanas de greve onde os trabalhadores viram que é na luta que podemos combater os ataques patronais e proteger nossos direitos.A força da greve mostrou também para o Judiciário as reivindicações legítimas da categoria e no dia 06 de abril saiu o julgamento em que o Judiciário determinou:

– Legalidade da greve

.- O pagamento de reajuste salarial de 17% dividido em 3 parcelas: 7% a partir de 01/10/21, 5% a partir de 01/01/22 e 5% a partir de 01/04/22

.- A manutenção de todos os direitos da Convenção Coletiva de Trabalho de 2016/2018, sendo que as cláusulas econômicas por um ano e as cláusulas sociais por 4 anos (maio/21 a abril/25)

.- Abono/PPR de 50% do salário base com mínimo R$ 918,45 e máximo de R$ 3.490,08

.- Estabilidade no emprego de 90 dias.- Pagamento de todos os dias da greve. 

A GREVE NA REDE TV É MAIS UM IMPORTANTE EXEMPLO DE QUE SÓ A LUTA DOS TRABALHDORES JUNTO COM O SINDICATO PODE GARANTIR DIREITOS, SALÁRIOS, EMPREGO E MELHORES CONDIÇÕES DE TRABALHO

Desde a reforma trabalhista imposta em 2017, os patrões fazem de tudo para acabar com os direitos que garantimos através de muita luta e que estão na Convenção Coletiva de Trabalho.

É por isso que a cada Campanha Salarial desde 2018 os patrões fogem de assinar a Convenção Coletiva, pois querem acabar com os direitos e para combater isso o caminho é a luta dos trabalhadores organizada junto com o Sindicato.

Em várias empresas fruto da mobilização garantimos Acordos Coletivos de Trabalho mantendo todos os direitos, a decisão do Judiciário que determina que a Rede TV terá que respeitar os direitos dos trabalhadores na Rede TV só aconteceu pela firme greve que realizamos, o que demonstra que é lutando que garantimos direitos e é só lutando que vamos impedir que eles acabem.

O Sindicato está atento para que toda a decisão judicial seja cumprida, especialmente com a concessão do reajuste salarial e devolução dos dias de paralização que foram descontados pela empresa, além de respeitar todos os direitos da Convenção Coletiva de Trabalho e garantir estabilidade no emprego de 90 dias.

Fiquem atentos ao cumprimento da decisão judicial e caso haja descumprimento, denuncie imediatamente para o Sindicato. E o mais importante: participe das mobilizações organizadas pelo Sindicato, seu instrumento de luta e defesa dos direitos.

WhatsApp Image 2022 04 12 at 08.13.29

         Trabalhadores da Rede TV em greve na porta da emissora


SER SÓCIO DO SINDICATO É UM DIREITO SEU, SER SÓCIO DO SINDICATO É UM PASSO MUITO IMPORTANTE PARA FORTALECER A LUTA EM DEFESA DOS SEUS DIREITOS

Nesses tempos de ataques ainda maiores dos patrões e dos governos à classe trabalhadora ficou muito mais claro ver a importância de ter um Sindicato, que não abaixa a cabeça para patrão e para governos e organiza a luta nos locais de trabalho e nas ruas por melhores condições de trabalho, salários e direitos.

Por tudo isso é muito importante seguir ampliando a sindicalização, pois quanto mais sócios ao Sindicato mais força tem a nossa luta nos locais de trabalho e para seguirmos melhorando a estrutura de atendimento.

Se você ainda não é sócio, entre em contato com os diretores do Sindicato e preencha sua ficha de sindicalização.

A verdadeira história do 8 de março, dia em que se comemora o Dia Internacional da Mulher

Russas soviéticas contribuíram para estabelecer o 8 de março como o Dia Internacional das Mulheres – (Arte: Wilcker Morais)

Todos os anos, divulga-se a história de que o Dia Internacional da Mulher surgiu em homenagem a 129 operárias estadunidenses de uma fábrica têxtil que morreram carbonizadas, vítimas de um incêndio intencional no dia 8 de março de 1957, em Nova York. Segundo a versão que circula no senso comum, o crime teria ocorrido em retaliação a uma série de greves e levantes das trabalhadoras. 

Embora essa seja a narrativa mais conhecida, quando se fala sobre a origem da data comemorativa, ela não é verdadeira.

O primeiro registro remete a 1910. Durante a II Conferência Internacional das Mulheres em Copenhague, na Dinamarca, Clara Zetkin, feminista marxista alemã, propôs que as trabalhadoras de todos os países organizassem um dia especial das mulheres, cujo primeiro objetivo seria promover o direito ao voto feminino. A reivindicação também inflamava feministas de outros países, como Estados Unidos e Reino Unido.

No ano seguinte, em 25 de março, ocorreu um incêndio na fábrica Triangle Shirtwaist, em Nova York, que matou 146 trabalhadores — incluindo 125 mulheres, em sua maioria mulheres imigrantes judias e italianas, entre 13 e 23 anos. A tragédia fez com que a luta das mulheres operárias estadunidenses, coordenada pelo histórico sindicato International Ladies’ Garment Workers’ Union (em português, União Internacional de Mulheres da Indústria Têxtil), crescesse ainda mais, em defesa de condições dignas de trabalho.

As russas soviéticas também tiveram um papel central no estabelecimento do 8 de março como data comemorativa e de lutas. Por “Pão e paz”, no dia 8 de março de 1917, no calendário ocidental, e 23 de fevereiro no calendário russo, mulheres tecelãs e mulheres familiares de soldados do exército tomaram as ruas de Petrogrado (hoje São Petersburgo). De fábrica em fábrica, elas convocaram o operariado russo contra a monarquia e pelo fim da participação da Rússia na I Guerra Mundial. 

:: A Revolução das Trabalhadoras :: 

A revolta se estendeu por vários dias, assumindo gradativamente um caráter de greve geral e de luta política. Ao final, eliminou-se a autocracia russa e possibilitou-se a chegada dos bolcheviques ao poder.

A atuação de mulheres russas revolucionárias como Aleksandra Kollontai, Nadiéjda Krúpskaia, Inessa Armand, Anna Kalmánovitch, Maria Pokróvskaia, Olga Chapír e Elena Kuvchínskaia, é considerada imprescindível para o início da revolução.

“A história real do 8 de março é totalmente marcada pela história da luta socialista das mulheres, que não desvincula a batalha pelos direitos mais elementares — que, naquele momento, era o voto feminino — da batalha contra o patriarcado e o sistema capitalista”, ressalta a historiadora Diana Assunção, integrante do coletivo feminista Pão e Rosas.


Por “Pão e paz”, mulheres deram início à Revolução Russa (Foto: Reprodução)

A pesquisadora explica que houve uma articulação histórica para esvaziar o conteúdo político do 8 de março, transformá-lo em “uma data simbólica inofensiva” e em um nicho de mercado, apagando sua origem operária. 

“No dia da mulher, compram-se flores e presentes para as mulheres. Tentam esconder o conteúdo subversivo do significado desse dia, que é questionar o patriarcado. Tentam esconder que a luta das mulheres sempre esteve vinculada à luta socialista, perigosa para o status quo”, acrescenta Assunção. 

Em 1921, na Conferência Internacional das Mulheres Comunistas, o dia 8 de março foi aceito como dia oficial de lutas, em referência aos acontecimentos de 1917. A data foi reconhecida pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 1975.

Retornar às origens

A cada 8 de março, as mulheres trazem à tona questionamentos sobre a hipocrisia em torno das homenagens que recebem apenas nessa data. Em todos os dias do ano, o gênero feminino é o principal alvo da violência e da desigualdade. 

Em resposta, trabalhadoras em todo o mundo se organizam cada vez mais pela defesa de seus direitos. Em 2017 e 2018, elas organizaram uma greve internacional com adesão de 40 países, com o lema “Se nossas vidas não importam, que produzam sem nós”.  Assunção comemora o “resgate de um método de luta da classe operária de enfrentamento aos patrões e aos capitalistas”. 

“O que estamos vendo é justamente que a revolta e a luta de classes têm rosto de mulher a nível internacional, com a luta a que estamos assistindo nos últimos anos, com essa verdadeira primavera feminista no mundo inteiro, com enormes marchas. Mas, agora, com uma cara cada vez mais operária”, ressalta. “As mulheres são metade da classe operária, e as mulheres negras estão mostrando que são linha de frente em vários processos de luta”. 

A historiadora avalia que é importante resgatar a verdadeira origem do Dia Internacional da Mulher, pois, segundo ela, foram as proletárias que avançaram efetivamente em medidas concretas para atacar os pilares que sustentam a opressão às mulheres. “Mais do que nunca, precisamos da organização dos trabalhadores com as mulheres à frente, mostrando que são vanguarda, inclusive da classe operária. Enfim, sacudindo os movimentos, os sindicatos, com toda força expressada internacionalmente”, enfatiza. 

Essa matéria fez parte do especial Março das Mulheres, produzido pelo Brasil de Fato

Pesquisa com a categoria sobre trabalho remoto

Sindicato dos Radialistas e o Centro de Referência em Saúde do Trabalhador – CRST/Lapa sobre os impactos do teletrabalho sobre a saúde dos profissionais radialistas no município de São Paulo. 

Essa iniciativa faz parte de um projeto conjunto do CRST-LAPA e do Sindicato dos Radialistas de São Paulo para entender melhor como acontece o teletrabalho na sua categoria profissional e pensar como apoiar as lutas por melhores condições de trabalho. Para entender o conceito de home office, pela legislação o artigo 75-B da CLT diz que, “Considera-se teletrabalho a prestação de serviços preponderantemente fora das dependências do empregador, com a utilização de tecnologias de informação e de comunicação que, por sua natureza, não se constituam como trabalho externo.”

Com esse propósito será realizado discussões em grupo composto por profissionais da área de Rádio e TV e profissionais do CRST Lapa.

Para ter aceso ao formulário da pesquisa clique aqui.

Os trabalhadores são indivíduos complexos, impactados pelos processos de trabalho. Não são números. Por isso a necessidade de observar o resultado do trabalho desenvolvido fora do ambiente do trabalho e suas necessidades.

Radialistas: em 2022 sem ficar olhando o bonde passar

Se tem um ano que vai se somar a outro é 2021. Os anos de 2020 e 2021 estão de mãos dadas, face a tragédia da Pandemia, de um governo contra os trabalhadores (as) e de patrões que não estão nem aí com quem produz a riqueza que eles embolsam. 

O que está acontecendo no Brasil, na verdade, é o amortecimento do interesse em defender o que foi conquistado. E não é um fenômeno, apenas de uma categoria. A classe trabalhadora está anestesiada. E isso precisa mudar.  Os ataques vêm pela Pandemia, pela diminuição do poder de compra dos salários, da precarização do emprego, da falta dele. Apesar de tudo isso, neste ano trágico, muitos trabalhadores se fizeram em movimento como iremos relembrar nesse boletim.

IMG 20211213 WA0128

A luta dos Radialistas em 2021

Rede TV

Em agosto desse ano, os radialistas da Rede TV se indignaram por trabalharem numa emissora que optou por não dar nenhum reajuste salarial e entraram em greve. Na verdade a direção da empresa, numa tentativa de evitar a paralização apresentou a proposta, de última hora, de reajuste que a categoria rejeitou por achar insuficiente. Dentre as grandes emissoras Rede TV é a que mais paga mal aos seus trabalhadores.

Situação:

Julgamento do dissídio da Rede TV sofreu adiamento devido ao relator do processo estar doente e a data ficou em aberto e sem previsão para julgar.

TV Mundial

Com histórico de atrasos, reuniões e acordos não cumpridos, a TV Mundial se caracteriza por não se levar a sério. Mesmo naquilo que assina em documento. Por conta disso a TV Mundial entrou em greve, juntamente com os trabalhadores (as) da Igreja, envolvendo assim três entidades sindicais representativas desses (as) trabalhadores (as), tanto da igreja como da TV.

EBC

No final do mês de novembro os trabalhadores (as) da Empresa Brasil de Comunicação, um pool de empresas estatais (rádios, TV e agência de notícias), decidiram entrar em greve por tempo indeterminado. A decisão foi tomada em assembleia realizada numa terça feira (23). Pesou na decisão de entrar em greve devido a postura da empresa, que vem demonstrando pouca seriedade nas negociações emplacadas desde 2020. Além disso, perdas salariais e de direitos, que já estão em acordos coletivos de trabalho e que representam conquistas históricas da categoria, estão na pauta de retirada da empresa. Com isso tudo não restou aos trabalhadores (as) senão, a decisão de paralização.

charge negociacao campanha

Negociações, assembleias virtuais e acordos coletivos de trabalho (ACT)

Em ano atípico, devido a Pandemia, negociações e plenárias virtuais foram constantes para efetivação de ACTs entre empresas de Rádio e TV e o Sindicato dos Radialistas. Com isso, os trabalhadores (as) das empresas que assinaram acordo coletivo de trabalho tiveram garantido abonos e reajustes salariais e os benefícios, que constam a Convenção Coletiva da Categoria e que o sindicato dos patrões não querem assinar.

Acordos Coletivos assinados

Com a intransigência do sindicato patronal, grande parte das empresas apostam no quanto pior, melhor. Para os trabalhadores (as), lógico. Mas é uma lógica furada, pois só tem a ganhar as empresas que mantém um ambiente de trabalho em que os trabalhadores (as) se consideram valorizados (as). Tratados de forma mais justa. Por isso diversas emissoras providenciaram a assinatura de acordos coletivos de trabalho, diretamente com o Sindicato dos Radialistas. Grupos religiosos de comunicação como Rádio Difusora de Aparecida, Grupo Novo Tempo, Agência Presbiteriana de Evangelização – APECOM, Fundação Logos e Igreja Mundial efetivaram acordos com o Sindicato dos Radialistas. Emissoras comerciais, também como a Rádio Transamérica, Sistema Tribuna de Santos e Grupo MIX. Os acordos são, no mínimo, para pagamento do PPR. Uma bonificação aos trabalhadores chamado de Programa de Participação nos Resultados.

Aumento Real

Dentre as empresas que assinaram acordo coletivo a Agência Presbiteriana de Evangelização – APECOM concedeu aumento de 2% sobre os salários reajustados. Um aumento real de salário, num mar de falta de interesse das empresas em reajustar os salários dos radialistas.

Sindicalização

O Sindicato dos Radialistas permanece em sindicalização permanente. O radialista que tiver interesse em ser sindicalizado pode acessar o site do sindicato (www.radialistasp.org.br) e, através de banner de sindicalização, no site, preencher a ficha de sócio do Sindicato.  A contribuição financeira é de 1,5% do salário base do trabalhador, excluindo-se qualquer adicional que vier sobre o salário. Além de manter a estrutura da entidade, como prédio, viaturas, salário dos trabalhadores (as), a luta política também é importante e é a razão da existência do Sindicato como um instrumento de defesa e de luta para conquista de benefícios. Manter seu sindicato livre e independente de patrões e de governos é o primeiro passo para garantir os interesses dos trabalhadores (as) acima de qualquer tentativa de cooptação do Sindicato seja de patrões ou de pelegos.

Defender nossos direitos

Os ataques do governo, dos patrões e de seus representantes no congresso só estão sendo possíveis devido a passividade com que os radialistas tem encarado esse problema. É preciso ter consciência de que a cada perda de direitos, homens, mulheres e familiares, que lutaram no passado, se despreza sua história e seu legado que hoje podemos usufruir. Devemos pensar sempre de forma coletiva, com compromisso de classe, com as futuras gerações.

Radialista, defenda seus direitos, junto com seu Sindicato.

IMG 20211213 WA0124

O ano de 2021 termina e não irá deixar saudades

É fato que a Pandemia veio para mudar a vida de muita gente. Mais de 600 mil pessoas morreram devido não apenas ao coronavírus, mas como o governo Bolsonaro lidou com a Pandemia. Do “é uma gripezinha” ao “e daí”, o presidente eleito parecia se comportar como aquele deputado sem responsabilidade que durante quase trinta anos sobrevivia nas sombras do Congresso. Mas a tragédia não aconteceu apenas com quem partiu, mas com quem ficou, também. Com desemprego em alta, preços nas alturas, o desmonte de políticas públicas, apresenta aos trabalhadores um cenário de terror, que parece não ter saída, mas tem. Partidos de esquerda, movimentos sociais e sindicatos gritam aos quatro ventos que basta olhar pra trás e entender como os trabalhadores (as) avançaram da condição de servidão para assalariados (as). Os trabalhadores (as) avançaram em sua organização. Bastou estarem em movimento que a consciência dessa situação contaminou uma classe. E essa contaminação, que chamamos de consciência de classe, é o que lutamos para que os radialistas tenham em 2022.

Feliz ano novo, com consciência de classe, para todos os radialistas!

Recesso final de ano no Sindicato

A sede do Sindicato dos Radialistas, em São Paulo funciona até quarta- feira (22) e retoma seu funcionamento na primeira segunda-feira (03) do ano de 2022. Ou seja, o recesso começa dia 23/12/2021 e termina no dia 02/01/2022.

Expediente: Antena Ligada é uma publicação de responsabilidade da diretoria colegiada do Sindicato dos Radialistas no estado de São Paulo, situado na rua Conselheiro Ramalho nº. 992, no bairro Bela Vista, na cidade de São Paulo – SP. CEP 01325 000 – Fone 11 3145 9999 – Dezembro 2021  www.radialistasp.org.br  Tiragem: 3.000  –   Jornalista responsável e diagramação: Ronaldo Verneck Gonçalves MTB 84820-SP

Em assembleia realizada nesta terça-feira (23), trabalhadores da Empresa Brasil de Comunicação – EBC, decretam greve

Reunidos em assembleia nacional os trabalhadores (as) da EBC decretam greve em todas as praças (SP, RJ e DF) a partir das 00h de sexta-feira (26 de novembro). 

A paralisação foi aprovada como resposta a intransigência da direção da empresa na mesa de negociação e a partir da ação truculenta dos dirigentes em suspender o acordo coletivo dos trabalhadores, retirando direitos historicamente conquistados, até de servidores mais vulneráveis, como os trabalhadores com adicional de periculosidade e pessoas portadoras de deficiência (PCD).

Na última sexta-feira (19), a direção da EBC reuniu os sindicatos da categoria e informou que nenhuma cláusula do acordo coletivo está valendo. 

Direção da EBC, nomeada por Bolsonaro, insistiu em não responder a proposta apresentada pelos trabalhadores, mesmo tendo recebido a pauta de reivindicações no início de novembro. Sem falar no assédio vivido diariamente, pelos trabalhadores (as) e a ameaça de privatização da empresa pública de comunicação, que presta serviços relevantes a sociedade brasileira. Censuras e ataques a comunicação pública tem sido notória no governo Bolsonaro em relação a EBC.

Integram a EBC a Agência Brasil, TV Brasil, Rádio Nacional, MEC FM e a Voz do Brasil.

A EBC é uma empresa pública de comunicação que está a serviço da sociedade brasileira, sob administração do atual governo que, não só tem desvalorizado um importante serviço social de comunicação a sociedade, como interefere em seu objetivo principal de prestação de serviço. O governo Bolsonaro além de não ter nenhum compromisso com a comunicação pública, utiliza da estrutura da EBC para descaracterizar a comunicação pública, laica e de prestação de serviço aos brasileiros (as).

Com informações do Sindicao dos Jornalistas de SP.

Patronal recusa a assinar Convenção Coletiva, que garante o reajuste e manutenção dos direitos

Sindicato dos Radialistas propõe o Acordo Coletivo por emissora, mas a direção das empresas não aponta para negociação.

A situação salarial dos trabalhadores radialistas vai de mal a pior em Ribeirão Preto não está sendo diferente. Esses trabalhadores não tiveram o reajuste salarial a que merecem, muito menos o pagamento do PPR/abono a que tem direito.

Com a desculpa do Sindicato dos patrões não terem assinado a convenção coletiva, algumas empresas de rádio e TV da capital e do interior, não apresentaram uma solução que está disponível por parte do Sindicato dos Radialistas que é a assinatura de um acordo coletivo entre essas empresas e a entidade sindical.

O passivo de um reajuste salarial, acumulado, acaba sendo das empresas e não do Sindicato patronal. Afinal, quem é que irá pagar essa conta?  Preocupação que não está sendo levada em conta e os radialistas no estado de São Paulo merecem o que lhes é de direito.

Mobilização é a solução

Para garantir a reposição salarial, o pagamento do abono/PPR, além dos demais direitos, o caminho é estar em movimento com o Sindicato. Esta é a única forma de fazer o patrão sentar para negociar.

Outubro Rosa – Mês de conscientização do câncer de mama

Como cuidamos da saúde de nossos filhos, os radialistas devem fazer o mesmo em relação ao seu corpo e sua mente. Mente sã, corpo sadio, já diz o ditado e o Sindicato tem uma política de acompanhamento e prevenção em relação a saúde do trabalhador através de uma comissão composta por trabalhadores da base e dirigentes sindicais.

O movimento popular internacionalmente conhecido como Outubro Rosa é comemorado em todo o mundo. O nome remete à cor do laço rosa que simboliza, mundialmente, a luta contra o câncer de mama e estimula a participação da população, empresas e entidades.

A data é celebrada anualmente, com o objetivo de compartilhar informações e promover a conscientização sobre a doença; proporcionar maior acesso aos serviços de diagnóstico e de tratamento e contribuir para a redução da mortalidade.

Com maior incidência nas mulheres, os homens também são vítimas, mesmo que em número menor. Por isso a importância de prevenir o câncer de mama.

O câncer de mama é o tipo mais frequente na mulher brasileira. Nesta doença ocorre um desenvolvimento anormal das células da mama, que multiplicam-se repetidamente até formarem um tumor maligno. Lembrando que os sintomas são os mesmos nos homens, apesar de menor incidência. Ele é mais

fácil de ser percebido como um caroço no seio, acompanhado ou não de dor. A pele da mama pode ficar parecida com uma casca de laranja; também podem aparecer pequenos caroços embaixo do braço. Deve-se lembrar que nem todo caroço é um câncer de mama, por isso é importante consultar um profissional de saúde.

Toda mulher com 40 anos ou mais de idade deve procurar um ambulatório, centro ou posto de saúde para realizar o exame clínico das mamas anualmente, além disso, toda mulher, entre 50 e 69 anos deve fazer pelo menos uma mamografia a cada dois anos. O serviço de saúde deve ser procurado mesmo que não tenha sintomas. Os homens podem começar a fazer o auto exame, que consiste em apalpar seios/mamilos a procura de algo estranho no local. Apalpando os seios, ajuda no conhecimento do próprio corpo, entretanto, esse exame não substitui o exame clínico das mamas realizado por um profissional de saúde treinado. Caso a mulher/homem observem alguma alteração deve procurar imediatamente o serviço de saúde mais próximo de sua residência. Mesmo que não encontre nenhuma alteração no auto-exame, as mamas devem ser examinadas uma vez por ano por um profissional de saúde.

Como prevenção, tanto a mulher como o homem devem ter uma alimentação saudável e equilibrada (com frutas, legumes e verduras), praticar atividades físicas (qualquer atividade que movimente seu corpo) e não fumar. Essas são algumas dicas que podem ajudar na prevenção de várias doenças, inclusive do câncer.

FonteBiblioteca Virtual Ministério da Saúde

cipa

Os trabalhadores estão sujeitos a adoecer no local de trabalho, bem como sofrerem acidentes, principalmente se a Comissão Interna de Prevenção de Acidentes, não for ativa. Por isso a importância de quem escolhe, através do voto, os representantes na Comissão Interna de Prevenção de Acidentes – CIPA, bem como os eleitos que, se não atuarem corretamente, podem ser responsabilizados por negligência no cargo.

CIPA tem como objetivo a prevenção de acidentes e doenças decorrentes do trabalho, de modo a tornar compatível permanentemente o trabalho com a preservação da vida e a promoção da saúde do trabalhador.

Comunicado de Acidente de Trabalho – CAT

Esse é o documento exigido pelo INSS – Previdência Social para que um acidente de trabalho ou uma doença ocupacional seja reconhecido pelo órgão federal.

Ainda assim, o empregador deve apresentar o documento até o primeiro dia útil após a ocorrência do acidente de trabalho.

Nesse sentido, no caso de óbito, o documento deve ser emitido imediatamente e, no caso de doença ocupacional, o prazo será de um dia útil após o paciente receber o diagnóstico médico.

Comissão de Saúde do Sindicato dos RadialistasO Sindicato dos Radialistas realiza regularmente monitoramento e acompanhamento de casos de trabalhadores, que apresentam problemas de saúde relacionados ao trabalho. Seja acidentes ou doenças ocupacionais. Se é o seu caso ou conheça alguém nesta situação, entre em contato com o Sindicato para que a comissão de Saúde possa acompanhar e orientar o trabalhador em relação aos seus direitos, junto a empresa ou ao INSS. É fundamental se informar e ser orientado sobre situações que contribuem para o adoecimento do trabalhador.Os casos atendidos pela comissão de Saúde do Sindicato dos Radialistas são encaminhados para um segundo atendimento, especializado, dos CEREST´S no estado de São Paulo e pelos CRST na capital.Contato: 11 3145 9999 Fale com Jéfersone-mail: jbsantos@radialistasp.org.br
PPP INSS

Perfil Profissiográfico Previdenciário – PPP constitui-se em um documento histórico-laboral do trabalhador que reúne, entre outras informações, dados administrativos, registros ambientais e resultados de monitoração biológica, durante todo o período em que este exerceu suas atividades na respectiva empresa. Anteriormente somente os trabalhadores que tinham direito a se aposentar precocemente, coma chamada aposentadoria especial, recebiam os formulários substituídos pelo PPP. A partir de 1º de janeiro de 2004, a empresa ou a equiparada a empresa ficou obrigada a elaborar o PPP, de forma individualizada para seus empregados, trabalhadores avulsos e cooperados.

dossie coronavirus trabalho

coronavirus é transmitido de uma pessoa para outra, quando estão próximas uma da outra, por meio de gotículas respiratórias produzidas quando uma pessoa infectada tosse ou espirra ou fala. Essas gotículas podem atingir a boca, nariz e mucosas de pessoas próximas ou serem inaladas nos pulmões. A categoria dos Radialistas participa de um projeto aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da UNESP sobre a Covid-19 no local de trabalho. Para participar, visite o endereço https://bit.ly/3BEBtr5 e responda as questões.

21 de setembro é o dia dos profissionais de Rádio e TV, dia do Radialista

Os radialistas celebram o dia 21 de setembro como seu Dia. Dia que se refere à data da criação da lei que fixava o salário base para estes profissionais, em 1943, durante o governo de Getúlio Vargas. Isso deu um sentido de categoria, de classe, de irmandade aos trabalhadores e trabalhadoras que integram um importante setor produtivo, econômico e ideológico da classe dominante em nossa sociedade.

Apesar dos Radialistas terem seu dia histórico, em junho de 2006 o presidente Lula sancionou a Lei nº 11.327 que institui o Dia do Radialista, a ser comemorado em 7 de novembro, data de nascimento do compositor, músico e radialista Ary Barroso. Alusivo, já que o músico também era radialista e pelas ondas do rádio fez muito sucesso, mas totalmente desfocado do sentido de classe. Hoje, com tantos ataques da classe política, financiada pelos patrões, os radialistas labutam para sobreviver como classe e, os mais organizados, apontam caminhos históricos que um dia levou vitórias à categoria de profissionais, como diversos direitos.

Os patrões, através de sua associação de classe, a ABERT, adotou a data oficial, 7 de novembro, para homenagear todos aqueles que produzem a riqueza que eles expropriam. Tentando dar um sentido de comemoração aos trabalhadores que eles exploram. O Sindicato dos Radialistas continua a defender o dia 21 de setembro. Dia que deu um sentido histórico de categoria e de classe social aos trabalhadores que levam informação, entretenimento e além de prestação de serviço e cultura ao povo brasileiro. Que faz do rádio e da TV um importante serviço público, que os patrões acham que é apenas privado. 

Parabéns radialista! Que seu dia seja tão radiante quanto sua história de luta e compromisso de classe. Somos todos trabalhadores e como tal, devemos nos organizar para defender e lutar por nossos direitos.

Continuamos em tempos de pandemia de Covid-19. Usem máscara e álcool 70º para assepsia das mãos. Melhor lavá-las com água e sabão, regularmente e antes de levar aos olhos e a boca. Mantenham distância social segura. Sua vida é importante.

Greve na Rede TV: A greve foi suspensa, mas a luta continua

Fruto da luta, os trabalhadores na Rede TV garantiram estabilidade no emprego e a luta segue em defesa dos direitos e pelo devido aumento salarial. 

No dia de hoje, 15/09 os trabalhadores na Rede TV decidiram em assembleia junto com o Sindicato dos Radialistas de SP suspender temporariamente a greve, foi decidido manter o estado de greve e se a direção da emissora continuar fugindo de pagar o devido aumento salarial e não respeitar os direitos da Convenção Coletiva de Trabalho, a paralisação volta imediatamente.

O vice-presidente do Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo propôs a retomada das negociações, a suspensão da paralisação, mantendo o estado de greve, condicionado à garantia de estabilidade de todos os trabalhadores e a direção da Rede TV concordou com a proposta, mas só isso não basta é preciso pagar o que deve e respeitar os direitos.

Por isso a decisão da assembleia é de se manter em mobilização permanente e caso a direção a Rede TV fuja da legítima pauta de reivindicações, a greve voltará imediatamente.

A estabilidade não é nenhuma concessão ela é fruto da luta direta dos trabalhadores que juntos com seu Sindicato se mantiveram firmes na greve por mais de duas semanas.

Com a suspensão da greve, o ato de solidariedade marcado para amanhã, dia 16/09 também foi suspenso, agradecemos a todos os companheiros dos Sindicatos, centrais, movimentos populares que demonstraram sua solidariedade à nossa greve.

Seguimos juntos e firmes na luta do conjunto da classe trabalhadora.

Com a contribuição da Intersindical.